RENATO VIEIRA CIA. DE DANÇA – MALDITOS

Compartilhe

 

 

FOTOS/ ALBERTO MAURÍCIO

 

Fico atravessado nas gargantas e nas ruas / habitante das sarjetas e periferias / convivo com os imundos, impuros, renegados./ É com eles que me afirmo e não lamento,/ é deles a voz que dá alento e sentido ao meu canto belo/e sofrido/ à minha dança leve/e dolorida”.

 

A partir destes versos de Rodrigo Gerstner que inspiram o primeiro módulo do espetáculo coreográfico, titularizado Malditos, e contextualizam, assim, a trilha sonora de Felipe Storino, o bailarino/coreógrafo Bruno Cezario faz do solo “Fu” um instante de poesia e de susto diante do retrocesso que ameaça especialmente a livre criação artística brasileira.

 

Num contraponto critico à alma de um país em crise, ele entra em cena portando uma lança indígena. Como se estabelecesse pontes entre um signo arcaizante da formação pátria e a desconstrução da personalidade afetiva nacional através da intolerância e do não à inclusão das minorias.

 

Com uma malha em tons róseos, um cabelo black power e uma sandália de dourado glitter, sua identidade psicofísica e sua sexualidade sem amarras, se estabelecem entre pausas e silêncios.

 

Provocando os espectadores com um egocêntrico fone de ouvido que só ele escuta. Em incisivo recado à indiferença individualista do homem contemporâneo conectado/condenado, obsessivamente, à reclusão nas celas de seu universo virtual.

 

Numa aposta, aqui, de que a dança não é mera representação mimética da realidade mas expressão da verdade de seu tempo. Capaz sempre de traduzir o humano e o seu meio, na pulsão físico/emotiva do fazer de cada gesto coreográfico um ato transformador.

 

Missão inicializada, pela Renato Vieira Cia de Dança, a partir de uma trilogia questionadora que além de sua continuidade, agora, com Malditos, prosseguirá com outra obra para 2020. Sempre na busca de significativas tematizações da contemporaneidade, no entremeio de substantivo referencial crítico da poesia e da literatura.

 

E, desta vez, no substrato do inventário memorial de  sombrios anos por nós vividos, alertando sobre riscos censórios e a exacerbada onda preconceituosa, de perceptível proximidade do atual e controverso momento politico brasileiro.

 

Assim transparece a gênese do grito roqueiro de Janis Joplin na sua clássica versão de Summertime, a que Soraya Bastos, na sua tradução pelo movimento, imprime organicidade dionisíaca. Ou a essencialista entrega do elenco masculino a uma vigorosa plasticidade física em paisagem cênica escultórica, no suporte de potencial trilha com antológicos acordes do rock anos 70.

 

Enquanto em Fu  luzes invasivas (Binho Schaeffer) vazam  sobre o palco e sobre a plateia, alterativos efeitos luminares/visuais  pontuam ora passagens solarizadas com Soraya Bastos, ora estetizados recortes grupais, com a convicta representação dos bailarinos, em malhas negras e torsos nus, Felipe Padilha, Hugo Lopes e Wallace Guimarães.
 

Onde um sempre artesanal comando coreográfico e direcional de Renato Vieira faz com que Malditos abra em brilhante performance corporal, sem deixar de lado a postulação ideológica, a temporada 2019 de dança nos palcos cariocas.

 

                                            Por  - Wagner Corrêa de Araújo

 

MALDITOS, c/ a Renato Vieira Cia. de Dança, está em cartaz no Sesc Copacabana((Mezanino), de sexta a domingo, às 20h. 50 minutos. Até 27 de janeiro.